Diário de uma Busca.


26/10/2006


Carta para o Escolhido

Salvador, sem data para ser eterna.

 

Oi escolhido,

 

Ontem, especialmente, você fez muita falta. Não sei se foi o dia chuvoso, ou se apenas acordei mais passional do que em outros dias. Não sei se foi a saudade que resolveu fazer-me uma visita mais demorada. Sei apenas que ao longo do dia, qualquer coisa, uma simples palavra, um e-mail, uma música trazia sempre você de volta ao meu pensamento.

Tive vontade de ligar, te escrever um e-mail, responder aos seus scraps. Mas, não tive coragem. O medo foi mais forte.

Digo que não te amo mais, sabendo que é mentira. Que está tudo aqui guardado, sufocado em meu peito esperando por um momento, uma brecha para vir à tona.

Por isso, agora na madrugada, acordo e escrevo esta carta, porém você também não lerá. Não. Não te enviarei. Não te darei esta ousadia. Não posso. Vou dormir e sonhar que estou em teus braços. É o que me resta.

Há quem diga que estou sendo covarde. Que deveria lutar por você, por seu Amor. Mas, não tenho mais forças. Agora é tarde. Também porque estou aprendendo que muitas coisas na vida a gente tem que aceitar. Tenho que aceitar que seu Amor não é por mim. E que se você ainda não passou... Um dia vai passar.

 

Incompreendida às 2h25 da madruga.

 

P.S. Como já disse o poeta: “todas as cartas de AMOR são ridículas..."

P.S. Fui dormir cantarolando uma música de Vander Lee:

"... da louca que inda me resta/ só quis te levar pra festa/ você me amou de um jeito tão aflito/ que eu queria poder te dizer 100 palavras/ que queria poder te cantar 100 canções/ eu queria viver morrendo em tuas teias/ seu sangue correndo em minhas veias/ seu cheiro morando em meus pulmões/ cada dia que passo sem sua presença/ sou um presidiário cumprindo sentença/ sou um velho diário perdido na areia

esperando que você me leia /sou pista vazia esperando aviões..."

 

 

Escrito por INCOMPREENDIDA às 09h56
[ ] [ envie esta mensagem ]

24/10/2006


Questionamento sobre o Amor.

As vezes fico pensando o quanto de ideologia tem no Amor. A sociedade fica cobrando o tempo todo que tenhamos alguém para amar e que nos ame, alguém para constituir família. E que se este não for a pessoa certa, o próximo será, ou virá até o final da nossa vida.
mas, será mesmo, que como dizia o poeta, é impossível ser feliz sozinho?
Não será apenas uma questão de escolha?

Escrito por INCOMPREENDIDA às 09h17
[ ] [ envie esta mensagem ]

23/10/2006


"... já não quero mais a morte tenho muito que viver vou querer amar de novo e se não der, não vou sofrer..."

Essa frase tem muito a ver com o que estou vivendo no momento. Um momento de reavaliação dos valores, dos desejos, dos medos, das escolhas.

Escrito por INCOMPREENDIDA às 14h11
[ ] [ envie esta mensagem ]
 

Perfil



Meu perfil
BRASIL, Nordeste, SALVADOR, Rio Vermelho, Mulher, de 26 a 35 anos, Portuguese, Italian, Livros, Música
MSN - fauinlove@hotmail.com

Histórico